quinta-feira, 24 de maio de 2012

Alunos não grevistas vão à reitoria


Pra quem não sabe ontem por volta das  20h alguns alunos contra a greve estudantil foram até a reitoria expressar o descontentamento com o que vem acontecendo nos ultimos dias. Como o FAROL é um blog democrático temos abaixo um resumo do pensamento do pessoal:
‘Entendemos que uma greve parcial é péssima para quem não mora aqui. E essas implicações causadas pela atual situação de greve que deveria ser o nosso apelo. Que os professores que estão parados voltem a nos dar aula para que não sejamos mais prejudicados. Uma parcela muito pequena dos professores está em greve. Exigir que 80% deles ou mais parem não tem sentido. Suspensão do calendário não é a solução. A pauta principal da greve nacional é o plano de carreira dos professores. Então, não vamos nos iludir porque não são as melhorias na infra-estrutura da universidade que estão em jogo. Após o termino dessa greve dos professores poderíamos sim nos unir e formar um movimento para a luta dessas causas estudantis, mas esse não é o momento. Os professores tem todo o direito de entrar em greve e lutar pelo direito deles. Não é egoísmo querer aula. Sem que os alunos exijam AULA e não o contrário isso não vai se resolver. O conflito dos professores gritando “NÃO DAMOS AULA” e nós “QUEREMOS AULA” é o ideal. Aluno não pede greve, aluno pede aula. Se não queremos aula, porque melhorar as condições para os professores?!!!!’  Professor tem o direito de entrar em greve como tem o direito de não entrar e seguir dando aula e isso deve ser respeitado!
Ass: Alunos não grevistas.

Como já dito greve afeta a todos e todos os lados devem ser analisados
Ana Corrêa

8 comentários:

Marcelo Wiegand disse...

Concordo completamente com esse ponto de vista. Seria legal se a assembléia do CALO tivesse permitido esse tipo de debate e não a opressão total que foi.
Eu penso que os grevistas não devem adotar a postura "contra tudo e contra todos". Se acreditam em um ideal, que busquem discutir o assunto de maneira sensata (sem meter o dedo na cara de ninguém e mandar calar a boca, por exemplo) para atrair mais gente para o seu lado.

Marcelo Wiegand
Graduando de Oceanologia.

O farol disse...

Como assim "opressão total que foi" ???

Cada pessoa que levantava a mão tinha o direito de falar. Colocamos em a par a todos as informações que sabiamos e a partir disso rolou a votação. Na própria assembléia disse algumas vezes que queriamos escutar opiniões contrarias a greve. Não vejo da onde você tirou essa conclusão.

Abraço

Ace

O farol disse...

Sem conta que, como que o CALO é opressor se esse post é contra a greve, que você está criticando a falta de democracia do CALO. Realmente não consigo entender da onde tu tiro isso.

Respondendo ao post, da onde que tirou que é uma pequena parcela de professores que estão em greve?! Pelos professores da oceano até pode ser, mas no geral garanto que é muito mais dos que não estão em greve.

O movimento estudantil precisa agir e a greve é uma forma de apoio a causa dos estudantes, e o resultado disso teve repercussão significativa na greve dos professores. A greve é um ato que vai ter prejuízos claro, para alguns pequeno para outros maior. Porém a causa é pelo bem social e justiça, e não devemos ser individualistas e sim pensar no coletivo. O movimento estudantil não quer aulas para tirar férias, ela aconteceu por apoio a causa dos professores e está muito ativa!

Diferentemente do que diz no texto, isso mostra a desinformação do autor, as melhorias da infra-estrutura estão em pauta na greve dos professores.

Sem contar que, não informado no texto, uma parcela desses NÃO-grevistas após debater com os grevistas e entenderem melhor sobre a greve, mudaram de opinião e aderiram a greve..

abraço

Ace

O farol disse...

Na noite do dia 23 de Maio de 2012 houve uma passeata de alguns alunos não aderentes ao Movimento Estudantil Grevista. Neste encontro entre estudantes não-grevistas e aderentes a greve, todos tiveram chance de expor pautas de ambas às manifestações.
Por cerca de três horas, as divergências foram debatidas em amplo diálogo, que se deu na presença do Comando de Greve dos Professores (APROFURG) e de Pró-Reitores da Universidade. Nesta ocasião concluiu-se que é desejo de todos a volta as aulas o mais breve possível. Entretanto o Movimento acredita que a paralisação estudantil é o meio mais eficaz para que se alcance, não só a volta as aulas, mas também um ensino de qualidade.
Além disso, é importante resaltar que depois dessa discussão pacífica quatro estudantes que não aderiram a greve ficaram na reitoria após a debandada dos alunos que estavam participando do ato anti-grevista.
O movimento estudantil está aberto a questionamentos, tanto que, na reunião que aconteceu no CC hoje, foi decidido uma comissão organizadora da greve. Para composição desta, foram convidados representantes de todos os CA's para participarem, inclusive aqueles que não aderiram e são contra a greve estudantil.
Gostaria de agredecer, mesmo assim, o post da colega e pedir para que continue postando textos que sejam a favor dos estudantes não- grevistas. Esta, realmente, muito dificil para mim ser imparcial, já que estou convivendo no dia-a-dia no movimento estudantil e apoio o mesmo.
Outros estudantes que quiserem postar algum texto de esclarecimento no blog é só mandar para o e-mail oceanocalo@gmail.com que eu VOU POSTAR.

Um abraço
Carol Amorim

Anônimo disse...

Só para esclarecer... a informação repassada no JA foi equivocada. Após a reunião entre os alunos grevistas e não-grevistas não houve o consenso de que a greve estudantil é a melhor solução como esta sendo informado pelo comando dos alunos grevistas.

Amanda Garcia

Marcelo Wiegand disse...

Olha...eu não acho que mandar alguém calar a boca, ficar apontando dedo na cara e coisas do tipo sejam um meio "democrático". Os que eram a favor da greve tinham a palavra livre, os que eram contra eram calados porque estavam "dando opinião pessoal".

O farol disse...

Marcelo, não é que os anti-grevistas não podiam dar a sua opinião pessoal. Até porque, todos estavam dando a sua opinião pessoal (grevistas ou não). Só acho que justificativas como "vou perder minha férias" ou "vou atrasar minha formatura", que não pensam no coletivo não são plausíveis e, para mim, não devem ser consideradas.

Carol Amorim

Vinícius Collares Dalla Riva disse...

Cara da onde tu tiro que os que eram contra eram calados ???? Você está falando uma mentira. Nenhum momento apontamos o dedo na cara de alguem e mandamos calar a boca. Você esta muito equivocado!!

Ace